Imprimir

Como Se Interligam o Sexo e o Cancro da Mama

Como Se Interligam o Sexo e o Cancro da Mama

A história de vida de Julie sublinha a crença de que o aspeto é importante. Dica: Você vale muito mais do que isso!

No que se refere à sexualidade, o cancro da mama e os seus tratamentos por vezes ameaçam derrotar-nos. A história de vida da Julie faz-nos lembrar que nós somos muito mais do que a nossa aparência.

Fiz uma careta ao meu reflexo no espelho da casa de banho do meu trabalho. “Que se passa?” perguntou Sylvia, a minha colega. “Estou horrível,” confidenciei. “As sobrancelhas cairam por causa da quimioterapia e não consigo desenhá-las corretamente. Fico ridícula.”

Ela olhou-me com reprovação e disse, “Sê grata por estares viva! Quem se interessa com as tuas sobrancelhas?”

Bem, eu interessava-me claro. Mas eu sabia que a Sylvia não iria perceber porque ela não estava a lutar com o cancro da mama e tinha umas sobrancelhas normais.

Nunca pensamos em que termos é que Cancro da mama e Sexualidade estão Interligados.

Claro que ela tinha razão – eu estava muito grata por estar viva – mas a realidade é que havia dias em que me sentia uma aberração da natureza. O tratamento do cancro da mama ataca todos os aspetos físicos do que significa ser mulher – sexualidade e cancro da mama estão, seguramente, interligados. Perder os seios, perder o cabelo, sobrancelhas e pestanas, perder o brilho e a cor saudável da pele, e a perda de ciclo menstrual, todos eles cobram a sua parte na nossa confiança. É difícil não nos sentirmos em baixo de vez em quando.

Era deprimente observar o mundo à minha volta com mulheres jovens, saudáveis e vibrantes, cheias de vida, com as faces rosadas, cabelos brilhantes e sobrancelhas espessas por oposição à minha tez baça, pálida e sem qualquer pêlo e a minha cabeça careca. Além de mais, era recém casada e tinha de ir trabalhar todos os dias, por isso queria parecer fantástica.

Como qualquer experiência na vida, a menos que se tenha passado por ela, nunca se consegue compreender totalmente. A Sylvia tinha-me envergonhado por estar a ser superficial, o que ela não conseguia perceber é que eu estava a passar por uma perda profunda da minha vida antes do cancro.

O sentimento de perda da Sexualidade causado pelo tratamento do cancro da mama é real

Obviamente, a perda da feminilidade, beleza e sexualidade que são consequência da quimioterapia, podem ser problemas muito complexos para as mulheres de qualquer idade. Mas é particularmente desafiante para as mais jovens, por várias razões:

A ênfase da sociedade na juventude e na beleza;

O risco real de não poder gerar filhos, no futuro;

O medo de não ser suficiente como esposa;

Ter dificuldades com o sexo numa fase em que as mulheres estão no seu pico sexual.

Para algumas, todas as coisas boas sobre sexo parecem ter desaparecido. Como o estrogénio é retirado às pacientes com cancro da mama, a atividade sexual pode diminuir porque as hormonas não funcionam. Tanto pode acontecer porque a líbido diminui como porque se torna fisicamente doloroso. Além disso, os tratamentos do cancro fazem as mulheres sentirem-se pouco atraentes e fisicamente mal dispostas. A sexualidade, dizem as pacientes de cancro da mama, é a ultima na lista de prioridades durante uns tempos.

Tudo isto pode ser duro num casamento. O facto de não se sentir sexy vem da alteração de todos os aspetos que antes a faziam sentir-se sexy. Mas sexualidade e cancro da mama não precisam de estar em extremos opostos.

Os terapeutas recomendam que vá dando passos para voltar ao normal. Se o sexo é doloroso, use cremes de estrogénio ou produtos semelhantes para combater a secura (peça ajuda à sua equipa médica). Se quer mesmo evitar o sexo totalmente tem de falar com o seu parceiro, a comunicação clara ajuda à união do casal.

Sexualidade, cancro da Mama e mulheres solteiras

Para as mulheres solteiras, a sexualidade após o cancro da mama apresenta os seus próprios desafios. Há a preocupação de não merecerem ser amadas porque se sentem “produtos danificados”. Algumas mulheres mais jovens chegam a equacionar não fazer quimioterapia por medo de não poderem ter filhos após o tratamento.

No topo da lista de todas as maiores preocupações, quando se pensa em sexualidade feminina, cancro da mama à parte, a sociedade pressiona as mulheres a terem um visual perfeito – a fazerem plásticas para aumentarem o peito, a ficarem esqueléticas e a deixarem crescer longos cabelos.

As mulheres precisam de se desafiar: Ter mais auto-respeito, perceber que somos valiosas, únicas e mais fortes do que pensamos. Com ou sem sobrancelhas.

Por Julie Auton.