Imprimir

Como Lidar Com o Regresso ao Trabalho Depois do...

Como Lidar Com o Regresso ao Trabalho Depois do Cancro da Mama

Como Lidar com o Regresso ao Trabalho

depois do Cancro da Mama

Regressar ao trabalho depois do tratamento do cancro, envolve uma mistura de emoções e pensamentos.

Regresso_ao_Trabalho

O regresso ao trabalho depois do tratamento do cancro da mama, pode envolver uma mistura intensa de emoções e sentimentos, que são perfeitamente compreensíveis – lidar com o diagnóstico e com o tratamento pode afetar a sua vida profissional e pode afetar a forma como lida com a doença.

O modo como a doença interfere com o trabalho depende muito do tipo e da duração dos tratamentos necessários, dos níveis de stress do seu trabalho e da qualidade do seu Sistema de saúde. Quando regressa após um longo tratamento, a sua prioridade deve ser cuidar de si própria de forma a maximizar a sua recuperação. A atenção tem de estar primeiro em si própria e na recuperação das suas forças. À medida que se vai sentindo melhor será mais fácil lidar com o trabalho e com a vida privada. Mas saber isto e por em prática são coisas diferentes.

Horários e Segredos

As consultas e os tratamentos durante os dias normais de trabalho, interrompem drásticamente a sua rotina. Para reduzir o tempo de interrupção, Carole Wise, uma especialista de informática que tem de receber tratamentos diários de radioterapia, marca as suas consultas de manhã cedo ou ao fim da tarde. Outra paciente, Joyce Braegger marca os seus tratamentos de quimioterapia para as sextas-feiras para poder ficar em casa durante o fim de semana quando se sente nauseada e mais fraca.

“Não suporto toda a atenção que colocam sobre mim,” queixava-se Bárbara Offit quando regressou ao trabalho após uma lumpectomia. Com frequência, quando regressa ao trabalho após o tratamento do cancro da mama, percebe que os colegas começam a tratá-la de forma diferente. Podem andar sempre a perguntar como se sente, ou a tentar contar-lhe histórias sobre pessoas que conhecem e passaram pelo mesmo. “Finalmente, acabei por entender que não tenho de contar seja a quem for o que não quero contar”, diz Bárbara. Ela aprendeu que uma paciente de cancro decide o que quer contar aos outros e o que quer manter privado. Se sentir que a estão a pressionar para falar, pode dizer de forma simpática, “Obrigada pelo seu interesse, mas prefiro não falar sobre isso.” Se a pessoa ficar ofendida porque você não quer falar sobre os seus assuntos privados, é um problema dela, não seu.

Wanda Barton, uma paciente que regressou ao trabalho numa imobiliária, após o tratamento do cancro da mama, estava preocupada com a reação que as pessoas iam ter à sua aparência. Como muitas outras mulheres, o seu aspeto era uma questão que a deixava constrangida. Por exemplo, se a quimioterapia lhe faz cair o cabelo, usar uma peruca pode ser motivo de preocupação. Se passou por uma mastectomia pode recear que as pessoas estejam sempre a olhar para o seu peito a imaginar como terá sido a mudança. Para conseguir lidar com a reação das outras pessoas às suas mudanças, é preciso que você se sinta em paz e tenha aceite essas mudanças em si própria.

Wanda passou muito tempo em frente ao espelho antes de regressar ao trabalho. Repetiu constantemente para a sua imagem refletida “Eu continuo a ser eu própria”. Algumas mulheres praticam em casa a melhor forma de responder e lidar com os comentários e perguntas dos coelgas, quando regressam ao trabalho. Você pode fazer o mesmo e até pedir ajuda ao seu companheiro ou alguém em quem confie e seja próximo de si. É importante trabalhar a sua confiança para conseguir ignorar o que os outros podem dizer que a façam sentir desconfortável.

Pedir Ajuda

É fundamental que peça ajuda e apoio à sua família e amigos quando regressa á vida de todos os dias, apó o tratamento do cancro.

As mulheres têm relutância em pedir ajuda, mas este é o momento de aprender a contar com os outros. Mesmo no trabalho, vai perceber que as pessoas estão dispostas a colaborar e a ajudá-la se sua energia reduzida a impedir de concluir as suas tarefas. A maioria dos chefes é solidária e flexível.

Pode acontecer que você queira voltar ao trabalho e até que decida voltar, mas não consegue porque ainda se sente demasiado cansada e mal disposta por causa dos tratamentos. Muitas mulheres fortes e independentes sentiram-se da mesma forma, por isso não seja demasiado dura consigo mesma.

Na realidade, alguns trabalhos são muito difíceis de realizar se o tratamento é intenso e os efeitos colaterais são numerosos. Se precisar se afastar, mesmo que por pouco tempo, converse com um conselheiro sobre como ajustar o seu retorno ao trabalho após o tratamento. Eventualmente, para a maioria das mulheres, o cancro de mama torna-se uma parte menor da vida, não a primeira coisa em que pensam quando acordam de manhã.

A esmagadora maioria de sobreviventes do cancro de mama conseguem regressar ao trabalho após uma curta interrupção. O lado positivo é que isto faz as pessoas sentirem-se mais normais , mais produtivas e mais em controle das suas vidas.  Wanda Barton disse, “Antes de ter regressado ao trabalho sentia-me de rastos. Estava sempre a pensar no cancro. Trabalhar mantém-me focada noutros assuntos que não sejam o cancro, os tratamentos e os prognósticos”. Para Wanda e para muitas outras mulheres, regressar ao trabalho é uma parte positiva da sua recuperação.